Edição online quinzenal
 
Domingo 23 de Junho de 2024  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

RACISMO, UM ARGUMENTO BACOCO!

23-06-2023 - José Janeiro

Fomos confrontados no dia 10 de Junho com um PM irritado, vociferando contra um cartaz que pretendia ser isso mesmo, um cartaz de crítica politica e apenas isso. Não discuto se a imagem é ou não feliz, mas salta aos olhos de qualquer um, que apenas pretendeu ser chocante (como aliás é essa a função de uma qualquer caricatura) e não insultuoso. Quiçá, todos o interpretaram assim, bem todos não, o PM a achou diferente dos restantes comuns dos mortais e ficou ofendido por ser “não branco”. Se não fosse preocupante, essa acusação da moda, é apenas e só por si, um lirismo pouco consistente com a realidade.

O melhor exemplo, do racismo que apregoou, que é apenas uma ficção, frívola e pouco consistente com a realidade, está bem patente nele próprio, que foi eleito por uma sociedade que muitos acusam racista e mais umas coisas parvas, que visam apenas cumprir uma agenda modernaça de wokes que se ofendem com coisas menores, em vez de se preocuparem com os reais problemas de fundo da sociedade. A piada fez-se portanto sozinha, por ele ser “não branco”, seja lá o que isso seja. Sim, essa referencia supostamente rácica, serviu para distrair o espaço público das constantes malfeitorias dos tais partidos do “arco da governação” em geral e do PS em particular. Surtiu por momentos efeito. O espaço dos midia foi inundado com notícias, analises argumentos e contra argumentos que fizeram esquecer as comissões de inquérito e os casos de polícia dos players políticos. As justificações dos mais diversos “opinion makers”, foi ainda mais surpreendente, pela negativa, porque foram embarcando no contexto racista supostamente existente em Portugal e desdobraram-se nas parvoíces habituais. A melhor explicação que li foi de um elemento da área do PS, que argumentava, que sim, que o cartaz seria racista por, imaginem, realçar muito a cor escura do PM, e os seus lábios desmesurados, melhor que isto, só num qualquer programa de comédia.

Não consigo entender o fenómeno do racismo, talvez esteja a ser ingénuo, pois nunca assisti a um acto racista e vivi e visitei países Africanos, lidei com PESSOAS, sim pessoas, de todas as cores e feitios nas mais variadas latitudes, mas como tudo, quando se usam os argumentos deste calibre, quer-se apenas criar muitas vezes, casos de consistência duvidosa que servem como justificação para taparem o sol com a peneira, porque assim vão-se desviando atenções do que é o principal e perde-se tempo com o que é acessório. Com isto, não quero dizer que não haja atitudes identificadas com os novos “ismos”, mas pelo menos em Portugal, a existirem serão casos isolados, sem expressão e o resultado de tanto se falar da estupidez do agora tudo é conotado com um ismo qualquer, mas, não se confundam actos criminosos e condenáveis por algumas etnias com racismo, ou outras aberrações actuais.

Como disse vivi, em diversos momentos, em países Africanos onde também fiz alguma da minha escolaridade, ali, faziam parte da minha “fauna” de amigos as mais variadas cores e uns eram os pretos, outros os gordos, outros os chamuças, outros (como eu) o caixa de óculos, e por aí fora, todos nos riamos e todos brincávamos com a situação, sem esquisitices, agora parece que é bullying porque os meninos são muito sensíveis e são uns vidrinhos de cheiro. Se houvesse necessidade, tirava-mos tudo a limpo no recreio com uns bofardos mútuos, depois, bom depois, íamos todos para o bairro marçal (para quem não sabe era o espaço daquelas meninas do prazer) ver as gajas e ficava tudo bem.

Não, Sr. Primeiro-ministro, uma caricatura não é racismo é apenas isso: uma caricatura, mas racismo é as suas atitudes e do seu gang do PS, enquanto comportamentos pouco nobres, e não enquanto significado da palavra, mas com uma outra nomenclatura qualquer, sugiro a classificação como malabarismo, vejamos alguns dos seus actos que tanto nos envergonham:

Uso do Falcon das FAP para que assista a um jogo de futebol, na Hungria, coisa de somenos importância (ironia), tanto que nem Portugal jogava. Se foi em campanha para um futuro lugar europeu, deve pagar do seu bolso, pois não foi uma visita de estado, mas um suposto capricho. Isso é que é racismo, ou talvez malabarismo;

A arrogância extrema com que lida com as críticas, isso sim é um racismo-malabarista;

O estado lastimoso do SNS, da educação, da Justiça e transversalmente de toda a orgânica do estado, isso sim é racismo-malabarista;

O sistema fiscal abusivo, que seria aceitável, se o excesso financeiro fosse bem aplicado e não para pagar os favores aos boys e girls, com desvios do erário publico e os gastos nojentos do desvaneio desses iluminados da política, isso sim, é que é racismo, ou será apenas malabarismo, sei lá;

As promessas não cumpridas sobre habitação, melhoria de vida e bem-estar global do povo, isso sim, é racismo ou malabarismo;

Os sucessivos escândalos como a TAP, as obras fantasma e abusos dos seus correligionários autarcas, isso é sim, racismo-malabarista;

O manter ministros incompetentes e de integridade duvidosa, só porque sim, isso é racismo e malabarismo;

O uso e abuso dos bens e meios do Estado em proveito próprio, por si e pelos seus apaniguados, sem castigo, isso sim, é racismo e malabarismo;

Manter as forças de segurança debaixo de críticas e sem apoio, enquanto os criminosos são os coitadinhos da sociedade, isso não é só racismo, mas um “ignobilismo” mental;

Como pode o Sr. PM ficar chateado com uma crítica mordaz, quando ele e os seus membros do governo, que escolheu, são pessoas pouco dignas, o Sr. PM devia estar era calado e ter passado entre as criticas como raposa em vinha vindimada, assim foi apenas um ridículo sem noção, que quis criar um casinho.

Tenha vergonha nessa cara Sr. PM.

Até á próxima.

José Janeiro

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome