Edição online quinzenal
 
Domingo 23 de Junho de 2024  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

UMA NOVELA Á PORTUGUESA

06-01-2023 - José Janeiro

Muito se falou da novel-milionária-travesti da TAP. Na verdade, ainda falta esclarecer muito mais, sobre o papel dos intervenientes nesta novela e suas consequências, quer políticas, quer de âmbito ético, para não falarmos da indecência de todos os participantes neste imbróglio.

Facilmente se passou das célebres frases dos que são apanhados em falso: “estou de consciência tranquila”, para a nova moda: “não sei de nada”, sempre secundado pelo apurador-mor-do-reino, que aqui foi listo a dizer que não era ilegal e que até se tinham poupado 2/3 da indeminização pedida pela dita cuja.

Vamos lá entender isto:

A TAP é tutelada por dois ministérios: Infra estruturas e Finanças, com os conhecidos elementos da nova geração mais preparada de sempre, desconheço se para os malabarismos se tecnicamente, vá-se lá saber.

A TAP foi o maior erro da geringonça, ao reverter a privatização, porque diziam-nos, teríamos que ter uma companhia de bandeira, quando no fim é um antro para os governos do PS.

As duas principais protagonistas: CEO e Chief Procurement Officer, vejam estes nomes pomposos, desentenderam-se e bem sabemos que mais do que uma galinha num galinheiro, acaba assim (ironia e não machismo), porque querem sempre o galo mais belo e cantante, neste caso o poder.

Daqui ao “eu ou ela” foi um passo. E ainda falta saber, com toda a certeza, se foi demitida ou se a demitiram, mas seja como for, o escabroso começa no percurso subsequente, vai para CEO da NAV e logo de seguida para secretaria do tesouro, qualquer coisa como um rato a guardar o queijo. A questão coloca-se: seja qual for a situação da demissão, para que raio é uma indeminização se a gaja foi para uns novos tachos do governo ou semelhante?

Tudo ficava no segredo dos deuses, ou não houvesse acordos de confidencialidade á mistura, se alguém não lhes tivesse destapado a careca. E a bronca explodiu.

E chegamos aos outros actores desta novela:

Pedro Nuno Santos, que afinal não sabia de nada, porque o seu secretário não lhe teria dito. Isto cheira a esturro á distância, porque com como sabemos o gajo-do-Maserati, tem profundas ambições em ser Primeiro-ministro e logo seria um tiro no pé. Não, não cola, mas pronto, vamos lá fingir.

Fernando Medina, que afinal não sabia de nada, mas a mulher era a responsável jurídica da TAP e amiga da gaja-travesti, amizade que cresceu na companhia área. Mais, é difícil acreditar que nem na queca mensal daqueles dois, em que ela terá dito, enquanto actuava de costas: “Nando, olha querido, temos que pintar o tecto, está borrado das moscas, e olha querido, lembrei-me agora, a Xaninha vai receber uma pipa de massa.” Admito que o gajo como estava a atingir o auge mensal, nem se tivesse apercebido e depois do servicinho virou as costas e adormeceu, nunca mais ligando á conversa. Coisas conjugais portanto.

Marcelo-selfies-apurador, rapidamente o tipo conseguiu apurar o que se tinha passado. Ficámos intrigados com tamanha rapidez, pouco usual nos cozinhados deste individuo, mas não tardámos a descobrir as razões desta velocidade pouco comum. O seu irmão, tinha intervindo enquanto advogado na marosca e num acto criminoso, sim, criminoso por estar obrigado á confidencialidade advogado-cliente, segredou ao maninho os detalhes da negociata e qual o extremo zelo onde se pouparam mais de 1 milhão de euros.

António Costa que, como sempre, nunca sabe nada, sendo um PM com mais de 10 escândalos recentes no governo e que passa entre os pingos da tormenta, devido ao banana de Belém. Apenas se lembra vagamente de uma travesti-Xaninha, que gosta de sapatos Louboutin de quase 600 euros e facilmente reconhecidos pelo tacão vermelho, mas parecidos com os da avó torta, e a quem tinha dado posse pelo excelente curriculum em como ser uma flausina. Por isso exigiu a cabeça da senhora Engenheira e na passagem a do concorrente Pedro-Maserati, porque deveria estar mais atento a estas coisas das indeminizações.

No meio disto tudo:

O PM esperou até que aparecesse novo escândalo em algum lado que fizesse esquecer este, mas teve azar. Lá veio dizer que nada sabia.

O PR diz que isto é tudo legal, porque até se ganharam uns trocos pela excelente intervenção do maninho. Se é legal, essa lei é um escândalo escabroso.

A Xaninha-travesti-dos-sapatos-Louboutin, diz que devolve o guito, mas só, se se provar a sua ilegalidade.

O governo aprovou mais 980 milhões para aquela coisa chamada TAP.

A administração da TAP, em dois comunicados diz coisas opostas sobre a saída da Xaninha-travesti-dos-sapatos-Louboutin, não esclarecendo a verdade dos factos.

O gajo-do-Maserati demite-se e atira-se ao Nandinho-marido-da-gaja-jurista-da-TAP, exactamente por esse mesmo facto. Soubemos depois que a gaja se tinha demitido, falta saber com que condições indemnizatórias.

A TAP de escândalo em escândalo, vai passando nos pingos da tempestade, porque se esta levou meio milhão a Francesa levaria muito mais e é melhor não mexer.

Os partidos apresentam duas soluções: moção de censura ou eleições antecipadas, ambas sem qualquer resultado pratico.

… e a populaça que adora ser enrrabada mantêm as sondagens destes tipos em alta.

Habituem-se! Disse ele.

Até para a semana.

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome