Edição online quinzenal
 
Domingo 23 de Junho de 2024  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Mais de 43.000 pessoas deslocadas devido às inundações

22-09-2023 - Lusa

As autoridades referem que o número de mortos varia entre cerca de 4000 e 11.000, com milhares de desaparecidos.

Mais de 43 mil pessoas estão deslocadas depois das inundações que devastaram o leste da Líbia na semana passada, sobretudo na cidade de Derna, anunciou esta quinta-feira a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

"De acordo com as últimas estimativas da OIM, 43.059 pessoas foram deslocadas pelas inundações no nordeste da Líbia", avançou a agência das Nações Unidas no seu último relatório sobre a situação no leste da Líbia.

A passagem no país da tempestade Daniel, na noite de 10 para 11 de setembro, provocou inundações e a destruição de duas barragens criou uma onda de água parecida com um 'tsunami', que inundou e destruiu a cidade de Derna.

As autoridades governamentais e agências humanitárias informaram que o número de mortos varia entre cerca de 4000 e 11.000, com milhares de desaparecidos, além das mais de 43 mil pessoas que tiveram de abandonar as suas casas.

Segundo a organização, "a falta de abastecimento de água terá levado muitos deslocados a deixar Derna e ir para outras cidades do leste e do ocidente".

As autoridades líbias pediram à população da cidade que deixasse de utilizar a água da rede de distribuição local, justificando o pedido com a contaminação da rede pelas cheias.

A ONU anunciou, no início desta semana, que as suas agências, nomeadamente a Organização Mundial da Saúde (OMS), estão a trabalhar para "prevenir a propagação de doenças e evitar uma segunda crise devastadora na região", alertando para um risco proveniente de "água contaminada e falta de higiene".

As necessidades urgentes das pessoas deslocadas incluem "alimentação, água potável, saúde mental e apoio psicossocial", acrescentou a OIM.

Por outro lado, as redes de comunicações móveis e de Internet foram restauradas em Derna esta madrugada, após uma interrupção de 24 horas, anunciaram as autoridades líbias.

As comunicações foram cortadas na terça-feira e os jornalistas foram convidados a abandonar a cidade, um dia depois de uma manifestação de cidadãos que exigiu a responsabilização das autoridades do leste do país pelo desastre.

As autoridades argumentaram ter acontecido uma "quebra das fibras óticas", mas segundo analistas, tratou-se de um corte deliberado para impor um "apagão" após a extensa cobertura mediática da manifestação no dia anterior.

Milhares de líbios reuniram-se na segunda-feira na parte de fora da mesquita al-Shabana, em Derna, na primeira manifestação em massa desde as inundações, pedindo uma investigação rápida sobre o desastre e a reconstrução urgente da cidade.

À noite, o antigo autarca da cidade, Abdel-Moneim al-Gaithi, disse que a sua casa foi incendiada por manifestantes.

O Ministério Público líbio abriu no sábado uma investigação sobre a rutura das duas barragens, construídas na década de 1970, e sobre a atribuição de verbas para a sua manutenção.

Fonte: TSF

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome