Edição online quinzenal
 
Domingo 21 de Julho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O GOVERNO ANTIDEMOCRÁTICO DA ESLOVÁQUIA ESTÁ A REDOBRAR A SUA APOSTA

21-06-2024 - Sona Muzikárová

As primeiras observações do Primeiro-Ministro eslovaco desde a tentativa de assassinato que quase o matou em Maio deixaram claro que o governo planeia explorar a tragédia para reprimir a oposição e os meios de comunicação independentes. Mas Robert Fico e os seus aliados podem estar a sobrestimar quanto tempo conseguirão manter a sua actual trajectória política.

BRATISLAVA – No momento em que a Eslováquia entrava numa moratória sobre discursos públicos e campanhas antes das eleições para o Parlamento Europeu deste mês, o Primeiro-Ministro Robert Fico fez  os seus primeiros comentários públicos desde que foi gravemente ferido numa tentativa de assassinato em Maio.

Em 15 de Maio, Fico foi baleado quatro vezes à queima-roupa na antiga cidade mineira de Handlová, no centro da Eslováquia, depois de presidir uma reunião de gabinete externa. Ele foi transportado para o hospital em estado crítico, passou por diversas cirurgias e agora se recupera em sua casa em Bratislava.

Em discurso gravado em vídeo, Fico disse que “perdoa” o homem que tentou matá-lo. Mas ele rapidamente culpou a oposição “politicamente mal sucedida e frustrada” pelas circunstâncias que levaram ao tiroteio, chamando o agressor de “mensageiro do mal e do ódio político” da oposição, acrescentando que “não tem razão para acreditar que este foi um ataque de um louco solitário.”

O atirador, Juraj Cintula – um poeta de 71 anos e ex-segurança – teria se oposto às políticas de mídia  de Fico e à posição do seu governo em relação à Ucrânia. Mas, como activista anti-minoria e anti-imigrante, com ligações a um grupo ultranacionalista que tem actuado como ferramenta de propaganda pró-Rússia, Cintula dificilmente poderia ser descrita como um apoiante da oposição liberal progressista, muito menos como o seu “mensageiro”. ”

No entanto, a tentativa de assassinato é indicativa do clima político tóxico da Eslováquia e do aprofundamento da polarização (uma das mais elevadas da Europa), o que reflecte três factores principais. Em primeiro lugar, um intenso conflito intergeracional está a desenrolar-se em todo o espectro político da Eslováquia, à medida que os eleitores mais velhos, rurais e muitas vezes desiludidos se encontram em conflito com a base eleitoral mais jovem, urbana e mais pró-Ocidente da oposição.

Estes grupos lutam cada vez mais para encontrar pontos em comum, causando divisões dentro dos agregados familiares e das comunidades locais. Por exemplo, enquanto os apoiantes do actual governo estão preocupados com pensões, benefícios sociais e “preservar a paz” – tendo sido convencidos por Fico de que ajudar a Ucrânia arrastaria a Eslováquia para um conflito militar com a Rússia – os eleitores mais jovens vêem a adesão do país à NATO e à UE como garantias de segurança cruciais. Entretanto, os conservadores sociais, vendo a política “progressista” ou “liberal” como uma ameaça à família tradicional e aos valores religiosos, assumem uma postura defensiva que sufoca o diálogo político construtivo.

Em segundo lugar, os eleitores eslovacos foram inundados com retórica incendiária, desinformação e discurso de ódio, todos amplificados pelas redes sociais. O próprio Fico acusou  repetidamente – e falsamente – a ex-Presidente Zuzana Čaputová de ser um “agente estrangeiro” ao serviço dos “interesses americanos”, possivelmente contribuindo para ameaças de morte contra ela e os seus entes queridos. Os membros do seu gabinete  descaracterizaram  igualmente o candidato presidencial pró-Ocidente, Ivan Korčok, como um “fomentador da guerra” para alimentar receios entre os apoiantes do partido no poder, o Smer-Social Democracia.

Por último, o regresso de Fico ao poder agravou o problema. Fico, o primeiro-ministro mais antigo da Eslováquia, encenou um regresso político improvável  em 2023, cinco anos depois de ter sido forçado a renunciar para reprimir uma crise política desencadeada pelo assassinato de um jornalista que investigava alegações de corrupção de alto nível. Ao longo dos últimos anos, vários membros do antigo gabinete de Fico foram suspeitos e, em alguns casos, acusados ​​de  crimes graves.

Consequentemente, o governo desmantelou  a Procuradoria Especial – responsável pela investigação de tais crimes – e tentou rever  o código penal imediatamente após assumir o cargo, desencadeando protestos generalizados. O governo também procurou reestruturar os meios de comunicação públicos para reforçar o controlo sobre o conteúdo das notícias, minando assim a liberdade de imprensa e os padrões do Estado de direito da União Europeia.

O resultado das eleições presidenciais de Abril poderá minar ainda mais  os controlos e equilíbrios democráticos, uma vez que é pouco provável que o presidente alinhado com o governo, Peter Pellegrini, desafie o poder executivo, como fez  Čaputová . Nomeadamente, o presidente é responsável pela nomeação de juízes para os tribunais constitucionais e tem autoridade para perdoar criminosos condenados. Com a vitória de Pellegrini, o controle do governo sobre os poderes legislativo e executivo poderá se estender à presidência.

Qualquer esperança de que o tiroteio de Fico servisse como um alerta e unisse os eslovacos no apoio à sua democracia nascente foi frustrada. Pouco depois da tentativa de assassinato, vários altos funcionários do governo sugeriram  que os meios de comunicação desempenharam um papel na radicalização do atirador do primeiro-ministro, dizendo aos jornalistas para “se olharem no espelho”. O discurso de Fico deixou bem claro que o governo pretende usar esta tragédia para suprimir a oposição e os meios de comunicação independentes, permitindo-lhe aprovar leis controversas com pouca resistência.

O tiroteio de Fico também poderá alimentar a violência política em toda a Europa e fora dela, à medida que os populistas de todo o mundo pressionam pela paz na Ucrânia à custa da integridade territorial da Ucrânia. Nos dias que se seguiram à tentativa de assassinato, Michal Šimečka, líder do principal partido de oposição pró-democracia da Eslováquia, e o primeiro-ministro polaco, Donald  Tusk  , receberam ameaças de morte. 

Mas embora Fico pareça encorajado, o governo pode estar a sobrestimar quanto tempo poderá manter a sua actual trajectória política, dada a forte dependência da Eslováquia nos seus parceiros comerciais, aliados e investidores internacionais. A ameaça iminente  de perda de fundos cruciais da UE poderá restringir as reformas iliberais do governo, especialmente porque a Eslováquia enfrenta uma pressão crescente devido ao  aumento dos preços da energia  e ao Pacto de Estabilidade e Crescimento reformado da UE, com os seus rígidos objectivos de redução da dívida.

Além disso, a mudança da Eslováquia do fabrico de automóveis tradicionais para veículos eléctricos exigirá novos fluxos de capital estrangeiro. Mas a turbulência política em curso diminuiu o apelo internacional da economia e prejudicou as suas perspectivas fiscais, levando os jovens eslovacos a procurar oportunidades no estrangeiro.

Mesmo que o tiroteio de Fico reforce o seu apoio político, a oposição e os meios de comunicação social devem continuar a examinar e a desafiar a coligação no poder. No meio de uma recente série de propostas de lei governamentais destinadas a minar as restantes salvaguardas democráticas da Eslováquia, a pressão internacional sustentada é mais importante do que nunca.

SOŇA MUZIKÁROVÁ

Soňa Muzikárová, investigadora não residente do Atlantic Council e investigadora do Instituto Universitário Europeu, é ex-economista do Banco Central Europeu, ex-diplomata da OCDE e antiga conselheira sénior do Vice-Ministro da Relações Exteriores da República Eslovaca.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome