Edição online quinzenal
 
Domingo 23 de Junho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

ELEIÇÕES GLOBAIS À SOMBRA DO NEOLIBERALISMO

10-05-2024 - Joseph E. Stiglitz

Embora escândalos, guerras culturais e ameaças à democracia dominem as manchetes, as maiores questões neste ano de super eleições dizem respeito, em última análise, às políticas económicas. Afinal de contas, a ascensão do autoritarismo populista antidemocrático é em si o legado de uma ideologia económica mal concebida.

NOVA IORQUE – Em todo o mundo, o nacionalismo populista está em ascensão, muitas vezes conduzindo ao poder líderes autoritários. E, no entanto, a ortodoxia neoliberal – redução do governo, cortes de impostos, desregulamentação – que se consolidou há cerca de 40 anos no Ocidente deveria fortalecer a democracia e não enfraquecê-la. O que deu errado?

Parte da resposta é económica: o neoliberalismo simplesmente não cumpriu o que prometeu. Nos Estados Unidos e noutras economias avançadas que o adoptaram, o crescimento do rendimento real per capita (ajustado pela inflação) entre 1980 e a pandemia da COVID-19 foi 40% inferior ao dos 30 anos anteriores. Pior ainda, os rendimentos na base e no meio estagnaram em grande parte, enquanto os que estavam no topo aumentaram, e o enfraquecimento deliberado das protecções sociais produziu maior insegurança financeira e económica.

Justamente preocupados com o facto de as alterações climáticas comprometerem o seu futuro, os jovens podem ver que os países sob a influência do neoliberalismo têm falhado consistentemente na promulgação de regulamentações fortes contra a poluição (ou, nos EUA, na abordagem da crise dos opiáceos e da epidemia de diabetes infantil). Infelizmente, essas falhas não são nenhuma surpresa. O neoliberalismo baseou-se na crença de que os mercados livres são o meio mais eficiente de alcançar resultados óptimos. No entanto, mesmo nos primeiros dias da ascensão do neoliberalismo, os economistas já tinham estabelecido que os mercados não regulamentados não são nem eficientes nem estáveis, muito menos conducentes à geração de uma distribuição de rendimento socialmente aceitável.

Os proponentes do neoliberalismo nunca pareceram reconhecer que a expansão da liberdade das empresas restringe a liberdade do resto da sociedade. A liberdade de poluir significa piora da saúde (ou mesmo morte, para quem tem asma), condições climáticas mais extremas e terras inabitáveis. Sempre há compensações, é claro; mas qualquer sociedade razoável concluiria que o direito de viver é mais importante do que o direito espúrio de poluir.

A tributação é igualmente um anátema para o neoliberalismo, que a enquadra como uma afronta à liberdade individual: cada um tem o direito de ficar com tudo o que ganha, independentemente de como o ganha. Mas mesmo quando obtêm honestamente o seu rendimento, os defensores desta visão não reconhecem que o que ganham foi possível graças ao investimento governamental em infra-estruturas, tecnologia, educação e saúde pública. Raramente param para considerar o que teriam se tivessem nascido num dos muitos países sem o Estado de direito (ou como seriam as suas vidas se o governo dos EUA não tivesse feito os investimentos que levaram à crise da COVID-19). vacina).

Ironicamente, aqueles que estão mais endividados com o governo são muitas vezes os primeiros a esquecer o que o governo fez por eles. Onde estariam Elon Musk e Tesla se não fosse pela tábua de salvação de quase meio bilião de dólares  que receberam do Departamento de Energia do presidente Barack Obama em 2010? “Os impostos são o que pagamos à sociedade civilizada”, observou a famosa observação do juiz do Supremo Tribunal, Oliver Wendell Holmes . Isso não mudou: os impostos são o que é necessário para estabelecer o Estado de direito ou fornecer qualquer um dos outros bens públicos de que uma sociedade do século XXI necessita para funcionar.

Aqui, vamos além de meras compensações, porque todos – incluindo os ricos – ficam em melhor situação com um fornecimento adequado desses bens. A coerção, nesse sentido, pode ser emancipatória. Existe um amplo consenso sobre o princípio de que, se quisermos ter bens essenciais, temos de pagar por eles, e isso exige impostos.

É claro que os defensores de um governo mais pequeno diriam que muitas despesas deveriam ser cortadas, incluindo as pensões geridas pelo governo e os cuidados de saúde públicos. Mas, mais uma vez, se a maioria das pessoas é forçada a suportar a insegurança de não ter cuidados de saúde fiáveis ​​ou rendimentos adequados na velhice, a sociedade tornou-se menos livre: no mínimo, falta-lhes liberdade devido ao medo de quão traumático o seu futuro poderá ser. Mesmo que o bem-estar dos multimilionários fosse um pouco prejudicado se cada um fosse solicitado a pagar um pouco mais em impostos para financiar um crédito fiscal infantil, considere a diferença que isso faria na vida de uma criança que não tem o suficiente para comer , ou cujos pais não podem pagar uma consulta médica. Consideremos o que significaria para o futuro de todo o país se menos jovens crescessem desnutridos ou doentes.

Todas estas questões deverão ocupar um lugar central nas muitas eleições deste ano. Nos EUA, as próximas eleições presidenciais oferecem uma escolha difícil não só entre o caos e um governo ordeiro, mas também entre filosofias e políticas económicas. O titular,  Joe Biden, está empenhado em usar o poder do governo para melhorar o bem-estar de todos os cidadãos, especialmente daqueles que se encontram nos 99% mais pobres, enquanto Donald Trump está mais interessado em maximizar o bem-estar dos 1% mais ricos. Trump, que dirige o tribunal num luxuoso resort de golfe (quando ele próprio não está no tribunal), tornou-se o campeão dos capitalistas de compadrio e dos líderes autoritários em todo o mundo.

Trump e Biden têm visões muito diferentes sobre o tipo de sociedade que deveríamos trabalhar para criar. Num cenário, a desonestidade, a especulação socialmente destrutiva e a procura de rendas prevalecerão, a confiança pública continuará a desmoronar-se e o materialismo e a ganância triunfarão; no outro, os representantes eleitos e os funcionários públicos trabalharão de boa fé em prol de uma sociedade mais criativa, saudável e baseada no conhecimento, construída sobre a confiança e a honestidade.

É claro que a política nunca é tão pura como esta descrição sugere. Mas ninguém pode negar que os dois candidatos têm opiniões fundamentalmente diferentes sobre a liberdade e a construção de uma boa sociedade. O nosso sistema económico reflecte e molda quem somos e o que podemos tornar-nos. Se apoiarmos publicamente um vigarista egoísta e misógino – ou rejeitarmos estes atributos como pequenas manchas – os nossos jovens absorverão essa mensagem e acabaremos com ainda mais canalhas e oportunistas no poder. Tornar-nos-emos uma sociedade sem confiança e, portanto, sem uma economia que funcione bem.

Sondagens recentes mostram que apenas três anos depois de Trump ter deixado a Casa Branca, o público esqueceu-se felizmente  do caos, da incompetência e dos ataques da sua administração ao Estado de direito. Mas basta olhar para as posições concretas dos candidatos sobre as questões para reconhecer que, se quisermos viver numa sociedade que valorize todos os cidadãos e se esforce por criar formas para que possam viver vidas plenas e satisfatórias, a escolha é clara.

JOSEPH E. STIGLITZ

Joseph E. Stiglitz, vencedor do Prémio Nobel de Economia e professor universitário na Universidade de Columbia, foi ex-economista-chefe do Banco Mundial (1997-2000), presidente do Conselho de Consultores Económicos do Presidente dos EUA e co-presidente do Alto Comissão de nível sobre preços de carbono. Ele é co-presidente da Comissão Independente para a Reforma da Tributação Corporativa Internacional e foi o autor principal da Avaliação Climática do IPCC de 1995. É autor, mais recentemente, de O Caminho para a Liberdade: Economia e a Boa Sociedade (WW Norton & CompanyAllen Lane, 2024).

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome