Edição online quinzenal
 
Domingo 23 de Junho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A EUROPA ORIENTAL PRECISA DE UMA NOVA NARRATIVA DE IMIGRAÇÃO

29-03-2024 - Sona Muzikárová

Os líderes políticos da Europa Central e Oriental há muito que assumem uma posição “dura em relação à migração”. Mas porque a região precisa de mais trabalhadores estrangeiros, devem agora defender positivamente a imigração – pública e repetidamente – para convencer os seus eleitores de que todos irão beneficiar dos benefícios económicos gerados pelos recém-chegados.

Os governos da Europa Central e Oriental (CEE) há muito que se orgulham das suas duras políticas de migração. Ao longo das últimas décadas, muitos dos líderes políticos da região concentraram os seus esforços na contenção do fluxo de migrantes e requerentes de asilo, argumentando que um afluxo de nacionais de países terceiros prejudicaria a estabilidade social, ameaçaria a coesão cultural e até representaria um risco de segurança.

Por exemplo, em 2015, no auge da crise migratória da União Europeia, os quatro países de Visegrád (V4) (República Checa, Hungria, Polónia e Eslováquia) opuseram-se veementemente ao sistema de quotas de refugiados do bloco, que visava partilhar o fardo alocando um certo número de requerentes de asilo a cada país da UE com base na população, no PIB e em outros factores. A Hungria e a Eslováquia estavam entre os críticos mais veementes do plano, argumentando que as quotas obrigatórias eram um ataque à soberania nacional.

É certo que os países da Europa Central e Oriental – sobretudo a Polónia e a República Checa – acolheram milhões de ucranianos expulsos das suas casas pela invasão russa em 2022. Mas, apesar desta generosidade, os líderes do V4 continuaram a adoptar uma linha dura em matéria de migração. O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán – um autoproclamado defensor  dos valores cristãos da Europa – promove uma visão de uma sociedade húngara homogénea. A Hungria concedeu o estatuto de refugiado a apenas dez indivíduos  em 2022, recebendo uma repreensão do tribunal superior da UE. Na Eslováquia, o partido populista de esquerda Smer-Social Democracia, do primeiro-ministro Robert Fico, venceu as eleições do ano passado explorando o ressentimento  contra os refugiados ucranianos. E a região intensificou recentemente os esforços  para travar a imigração ilegal através dos Balcãs, introduzindo controlos mais rigorosos e destacando forças de segurança para patrulhar as fronteiras.

Uma narrativa negativa sobre os migrantes ajudou líderes como Orbán e Fico a consolidar o apoio eleitoral, aproveitando os receios dos eleitores relativamente à alteridade, a ansiedade económica e o desejo de estabilidade num mundo instável. Mas isso não muda o facto de a região enfrentar uma escassez aguda de trabalhadores qualificados – uma questão premente sobre a qual os políticos têm permanecido em grande parte silenciosos.

Na verdade, os países da Europa Central e Oriental estão a liberalizar cada vez mais as suas regras e procedimentos de imigração para permitir a entrada e o emprego de estrangeiros. Em Janeiro, a Hungria, procurando atrair requerentes de países terceiros, acelerou uma nova lei de imigração que introduz novos vistos de curta duração para hóspedes e trabalhadores qualificados. O esforço interministerial foi acompanhado por novos contratos de terceirização  para melhorar a eficiência do processamento de vistos em países como Omã, Catar e Uzbequistão.

A Hungria tem pouca escolha. Com uma população em rápido envelhecimento, a grave escassez de mão-de-obra  nos próximos anos prejudicaria a ambição do governo de se tornar um centro de produção de veículos eléctricos (VE)  e uma base industrial de defesa. Em 2022, a CATL da China anunciou  que construiria uma fábrica de baterias EV de 7,3 mil milhões de euros (7,9 mil milhões de dólares) na Hungria, o maior investimento desse tipo na Europa até à data. Em 2023, a BYD da China partilhou  os seus planos de abrir uma fábrica de veículos eléctricos no país – a primeira na Europa. O empreiteiro de defesa alemão Rheinmetall abriu recentemente uma nova fábrica  na cidade húngara de Zalaegerszeg, enquanto veículos tácticos blindados serão produzidos  na cidade de Győr. Todos esses empreendimentos exigirão capital humano suficiente.

A República Checa também procurou atrair  nacionais de países terceiros, nomeadamente em Setembro de 2022, quando simplificou o processo de recrutamento de trabalhadores “estritamente necessários” e melhorou a supervisão das condições de trabalho dos estrangeiros. No verão passado, o país alinhou  as suas leis com a Directiva Cartão Azul da UE, que rege as condições de entrada e residência de trabalhadores altamente qualificados de países terceiros. Entretanto, em 2019, a Polónia facilitou  aos titulares de residência temporária e de autorizações de trabalho que exercem uma profissão considerada desejável para a economia polaca a aquisição de residência permanente.

Da mesma forma, o número de trabalhadores estrangeiros na Eslováquia aumentou  sete vezes entre 2013 e 2022, com alguns fabricantes, como o construtor automóvel britânico Jaguar Land Rover, a depender fortemente de mão-de-obra estrangeira. E mais destes trabalhadores vêm de lugares mais distantes – digamos, da Índia ou do Cazaquistão, em vez da Sérvia ou da Ucrânia. Mas ainda existem mais de 80.000 vagas de longo prazo não preenchidas, especialmente nos sectores da engenharia mecânica, automóvel, transportes, saúde e TI.

A escassez de mão-de-obra irá provavelmente piorar: a procura de competências nas indústrias do futuro só está a aumentar, ao mesmo tempo que as taxas de fertilidade  estão a diminuir e os jovens estão  a abandonar  a região em busca de melhores oportunidades noutros locais. Para colmatar estas lacunas de competências, os países da Europa Central e Oriental devem continuar a reformar as suas políticas de imigração. Se não o fizerem, poderão resultar em problemas económicos generalizados, uma vez que poderão perder novos investimentos que poderiam gerar o crescimento do PIB e aumentar as receitas fiscais.

A questão não é se a imigração é boa ou má, mas como pode trazer benefícios tanto para os países de destino como para os trabalhadores de países terceiros. O objectivo principal dos decisores políticos deverá ser maximizar os ganhos da imigração, o que exigirá a consulta do sector privado para continuar a identificar as competências necessárias. As ferramentas existentes, como o Cartão Azul UE, têm tido algum sucesso na resolução da escassez de mão-de-obra, mas beneficiariam da simplificação de procedimentos e da harmonização de critérios em todos os estados membros do bloco. Além disso, a introdução de novos regimes globais de competências – especialmente com países terceiros – que respondam às necessidades actuais e futuras do mercado de trabalho poderia facilitar a migração económica e, ao mesmo tempo, reduzir a fuga de cérebros no país.

A hostilidade performativa dos governos da Europa Central e Oriental para com os migrantes não consegue disfarçar a sua necessidade desesperada de trabalhadores estrangeiros. Os líderes políticos devem agora defender positivamente a imigração – pública e repetidamente – para convencer os seus eleitores de que todos ganharão com os benefícios económicos gerados pelos recém-chegados.

SOŇA MUZIKÁROVÁ

Soňa Muzikárová, economista política focada na Europa Central e Oriental e investigadora no Instituto Universitário Europeu, é ex-economista do Banco Central Europeu, ex-diplomata da OCDE e antiga conselheira sénior do Vice-Ministro dos Negócios Estrangeiros Assuntos da República Eslovaca.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome