Edição online quinzenal
 
Domingo 21 de Julho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

CRIAÇÃO DE REGRAS NUM MUNDO DIVIDIDO

22-09-2023 - Ana Palácio

A guerra na Ucrânia acelerou tanto a ruptura da ordem mundial como a luta dos países para estabelecer novos alinhamentos que possam proteger os seus interesses. A menos que o G7 clarifique a sua direcção, corre o risco de perder a sua influência, com consequências potencialmente de longo alcance para os valores democráticos a nível mundial.

Se alguém ainda tivesse dúvidas sobre o estado fracturado da elaboração de regras globais, estas deveriam agora ser dissipadas. A recém concluída cimeira do G20 em Nova Deli atraiu tanta atenção para quem não estava presente  – o Presidente russo Vladimir Putin e o Presidente chinês Xi Jinping – como para as discussões entre aqueles que compareceram. Mas a verdadeira conclusão da cimeira, bem como da reunião dos BRICS  (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) que a precedeu, é que a elaboração de regras globais deverá tornar-se cada vez mais desigual, moldada por pequenos grupos , estados indecisos e coalizões fluidas.

Mesmo sem Putin e Xi, divisões palpáveis ​​marcaram a cimeira do G20, desmentindo o seu tema  optimista : “uma terra, uma família, um futuro”. Embora a Índia, que tem trabalhado arduamente para se posicionar como uma força diplomática unificadora e porta-voz do Sul Global, tenha conseguido garantir o consenso  sobre uma declaração final, isso não foi uma tarefa fácil, devido, nomeadamente, às divergências sobre como se referir à Ucrânia. guerra.  

Os compromissos que isto exigia reflectiram-se na declaração final  da cimeira , que apresentou uma linguagem muito mais suave sobre a guerra na Ucrânia – e, em particular, sobre a culpabilidade da Rússia – do que a  declaração  emitida em Bali em Novembro passado. Em 2022, os líderes do G20 reconheceram que as perspectivas sobre a invasão eram diferentes, mas também condenaram veementemente as acções da Rússia e apelaram à retirada das suas tropas. Em 2023, lamentaram o “imenso sofrimento humano e o impacto adverso das guerras e conflitos em todo o mundo”, emitiram uma exortação pró-forma para abdicar do uso de armas nucleares e elogiaram os princípios sagrados de soberania e integridade territorial – tudo sem mencionar Ucrânia pelo nome.

Não é de surpreender que a Rússia tenha saudado  a declaração, enquanto a Ucrânia a criticou  por não conter “nada de que se orgulhar”. Entretanto, os analistas questionavam-se  sobre os custos potenciais da decisão dos líderes ocidentais de aceitarem a declaração diluída em nome da salvação da cimeira.

Quanto à China, o aprofundamento das divisões globais e a escalada da rivalidade entre as superpotências provavelmente levaram à decisão de Xi de saltar a cimeira , embora a prolongada  disputa fronteiriça  da China com a Índia e as suas recentes dificuldades económicas também tenham sido provavelmente consideradas. Para o presidente dos EUA , Joe Biden, a ausência de Xi proporcionou uma oportunidade para apresentar os Estados Unidos como um parceiro confiável para o mundo em desenvolvimento. Mas o compromisso dos EUA de reformar o Banco Mundial e aumentar a sua capacidade de empréstimo  para 25 mil milhões de dólares poderá soar vazio para os países de baixo e médio rendimento.

Quanto ao mundo em desenvolvimento, não ficou de mãos vazias. Os líderes do G20 decidiram formalmente tornar a União Africana, com os seus 55 Estados-membros, num membro permanente, colocando assim a UA em pé de igualdade com a União Europeia. Isto contribuirá muito para amplificar a influência global do Sul Global.

A decisão de estender um convite formal à UA poderá reflectir, em parte, a sensação entre as potências ocidentais de que grupos alternativos estão a respirar-lhes no pescoço. Afinal de contas, o bloco BRICS, que a China está abertamente a tentar posicionar  como rival do G7, tinha acabado de expandir  as suas fileiras para incluir seis novos membros (Argentina, Egipto, Etiópia, Irão, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos).    

Para grande satisfação da China, o domínio de longa data do G7 (Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido, EUA – mais a UE) parece estar a enfraquecer. Embora o G7 ainda desempenhe um papel vital no cenário mundial, poucos hoje fariam eco da avaliação de  2022 do Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan , de que é o “comité director do mundo livre”. Pelo contrário, com os EUA a prepararem-se para as eleições presidenciais do próximo ano e a UE preocupada com questões sobre o alargamento e a reforma, o G7 parece não ter unidade de propósito, o que está a minar a sua tracção nos assuntos mundiais.  

Isto não significa descurar os resultados da cimeira do G7 deste ano, realizada sob a liderança competente do Japão. Além de garantir um consenso sobre a guerra da Ucrânia e da China, o primeiro-ministro Fumio Kishida defendeu de forma convincente a combinação das regiões transatlântica e indo-pacífica num único espaço estratégico. De um modo mais geral, o Japão – o primeiro a soar o alarme  sobre a ameaça militar representada pela China – reuniu os seus aliados e reforçou  as suas próprias defesas, mantendo ao mesmo tempo uma posição política equilibrada baseada no realismo económico.

No entanto, avaliações como a de John Ikenberry, de Princeton – que elogia o G7  como um “jogador de poder” e argumenta que, com Biden na Casa Branca, “a cooperação da aliança em todo o mundo democrático liberal entrou num período de notável inovação e criatividade” – provavelmente são muito optimistas.

A guerra na Ucrânia acelerou tanto a ruptura da ordem mundial como a luta dos países para estabelecer novos alinhamentos que possam proteger os seus interesses. Se o G7 – cujos membros representam  menos de 10% da população mundial – não clarificar a sua direcção, corre o risco de perder a sua influência, com consequências potencialmente de longo alcance para os valores que unem os seus membros.

Os apelos do G7 a uma maior inclusão e reforma das instituições multilaterais são bem fundamentados e sensatos. Mas eles chegaram tarde. Só com uma combinação de vontade política e perspicácia geopolítica poderão os líderes ocidentais garantir a sobrevivência de uma ordem baseada em regras que reflicta os valores democráticos. Entretanto, a sopa de letrinhas de novas coligações globais continuará a crescer.

ANA PALÁCIO

Ana Palácio, ex-ministra das Relações Exteriores da Espanha e ex-vice-presidente sénior e conselheira geral do Grupo Banco Mundial, é professora visitante na Universidade de Georgetown.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome