Edição online quinzenal
 
Terça-feira 28 de Maio de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Alemanha critica China por direitos humanos, mas foge de restrições económicas

21-07-2023 - Hans Von Der Burchard e Peter Wilke

A Alemanha divulgou na quinta-feira sua primeira estratégia para a China, acusando Pequim de "graves violações dos direitos humanos", mas adoptando uma linha mais branda em medidas económicas como proibições de investimentos.

O documento de 64 páginas – que pode ser lido aqui  em alemão e aqui  em uma versão um pouco mais curta em inglês – chama a China de parceira indispensável, mas, cada vez mais, também rival e concorrente.

“Sem a China, não conseguiremos conter a crise climática, nem alcançar uma prosperidade mais justa no mundo”, disse a ministra das Relações Exteriores, Annalena Baerbock, ao apresentar a estratégia no  think tank MERICS China em Berlim.

No entanto, Baerbock também levantou a necessidade de “proteger nossa economia europeia contra a concorrência desleal” da China, fazendo uma referência indireta à estratégia industrial “Made in China 2025” de Pequim e maciços subsídios estatais para setores-chave como veículos eléctricos.

A estratégia descreve tais práticas injustas como uma “ameaça” à “segurança, soberania e prosperidade” da Alemanha. Concretamente, o documento adverte que “a China se empenha em criar dependências económicas e tecnológicas para depois utilizá-las para atingir objectivos e interesses políticos”.

Ele também adverte, como a Estratégia de Segurança Nacional da Alemanha divulgada no mês passado, que "a China está cada vez mais agressiva ao reivindicar a supremacia regional" e "desafiar os princípios do direito internacional".

O documento era aguardado com ansiedade por políticos e empresários em toda a Europa e além, ansiosos para ver como a maior economia da UE está se reposicionando em relação à China, economicamente importante, mas cada vez mais assertiva. 

Enquanto o agressivo Ministério das Relações Exteriores de Baerbock elaborou uma primeira versão com palavras duras  no final do ano passado, a versão final foi suavizada - particularmente em relação aos investimentos de empresas alemãs na China - reflectindo a linha mais moderada do chanceler social-democrata Olaf Scholz em relação a Pequim.

De-risking, o jeito alemão

Scholz pediu que a Alemanha reduzisse o risco de sua dependência económica da China - seu maior parceiro comercial -, mas argumentou que essa era uma tarefa principalmente das empresas. Isso o coloca em desacordo com a linha mais estridente da Comissão Europeia em uma proposta de estratégia de segurança económica da UE que prevê intervenções como a proibição de empresas  de fabricar tecnologias sensíveis na China.

Notavelmente, a estratégia não inclui mais propostas anteriores para introduzir uma “obrigação de relatório” e “testes de stress” para empresas particularmente expostas à China. Em vez disso, o documento final diz que o governo buscará “sensibilizar” e “intensificar as trocas”, mas “espera” que as empresas controlem o risco por conta própria. 

Se a maioria das empresas alemãs - que investiram um novo recorde de € 11,5 biliões  na China no ano passado - realmente o farão por conta própria, é questionável.

Quando se trata da proposta de proibição de investimento da UE, a estratégia apenas observa que tal medida “pode ser importante” e que Berlim “se envolverá de forma construtiva neste processo da UE”. 

A estratégia é clara, porém, de que um acordo de investimento da UE com a China – que havia sido promovido  pela ex-chanceler Angela Merkel, mas foi colocado no gelo nos últimos dois anos – “não pode ocorrer no momento por vários motivos”.

Sobre Taiwan, o texto enfatiza que “qualquer mudança no status quo no Estreito de Taiwan só pode acontecer de forma pacífica e com acordo mútuo”.

A estratégia é mais dura em relação aos direitos humanos, criticando Pequim pelas “graves” violações dos direitos dos uigures (uma das 56 etnias oficialmente reconhecidas pela República Popular da China) em Xinjiang, bem como a situação no Tibete e Hong Kong, destacando “a situação das comunidades étnicas e religiosas e a situação significativamente agravada de defensores dos direitos humanos”.

O documento afirma que a Alemanha deseja coordenar sua política para a China com a UE e apoia a aplicação de sanções da UE contra Pequim “no caso de graves violações dos direitos humanos”.

Fonte: Politico

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome