Edição online quinzenal
 
Quinta-feira 7 de Dezembro de 2023  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

SUÉCIA ESTÁ INCENTIVANDO A QUEIMA DO ALCORÃO

07-07-2023 - Steven Sahiounie

Muçulmanos e imigrantes muçulmanos que vivem na Suécia estão sentindo que não são bem-vindos, não são respeitados e não são apreciados.

Um imigrante na Suécia, Salwan Momika, queimou o Alcorão no primeiro dia do feriado muçulmano, Eid al Adha. Ele primeiro pisou no livro, chutou-o, envolveu-o em tiras de bacon , que é um alimento proibido pelas leis muçulmanas, e depois queimou o livro enquanto estava em um palco na frente de espectadores do lado de fora de uma mesquita em Estocolmo.

Momika disse anteriormente que acreditava que a religião muçulmana tinha um impacto tão negativo que o Alcorão deveria ser banido globalmente.

Estados Unidos, Marrocos, Turquia, Arábia Saudita e muitos países muçulmanos expressaram condenação ao ato. Grupos judeus na Suécia condenaram o ato e lembraram uma Torá que foi queimada por nazistas na Alemanha na década de 1930, que mais tarde se seguiu com o povo judeu sendo queimado vivo.

A polícia sueca

Momika fez um pedido para queimar o Alcorão como um ato de liberdade de expressão em uma democracia. A polícia tem autoridade máxima sobre a aprovação de tal ato e, aparentemente, sem investigar os motivos e ideologias que levaram Momika a cometer tal ato, eles aprovaram seu pedido.

O extremista dinamarquês Rasmus Paludan queimou o Alcorão em frente à embaixada turca em Janeiro, o que levou à suspensão das negociações da Suécia com a Turquia sobre a adesão à Otan, e o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse que seu país não apoiará a adesão da Suécia à Otan a menos que a queima do Alcorão seja ilegal.

Comentários do presidente Vladimir Putin

O presidente russo Putin visitou uma mesquita em Derbent para o Eid al Adha ontem e foi presenteado com um Alcorão de clérigos muçulmanos do Daguestão.

Putin aproveitou para comentar a queima do Alcorão na Suécia e disse que isso é tratado como crime na Rússia, tanto constitucionalmente quanto pelo código penal civil.

"O Alcorão é sagrado para os muçulmanos e deve ser sagrado para os outros", disse ele ao agradecer aos clérigos pelo presente e acrescentou: "Sempre respeitaremos essas regras".

A Turquia e o voto pela adesão da Suécia à NATO

A Turquia detém a chave para permitir que a Suécia se junte à NATO. Na declaração dos EUA de condenação da queima do Alcorão, os EUA enfatizaram que a Turquia deve permitir que a Suécia se junte à NATO . A urgência está ligada à guerra arquitectada pelos EUA contra a Rússia por mudança de regime, actualmente travada na Ucrânia. A Turquia é aliada da Rússia, ao mesmo tempo em que é

membro da NATO. Esta situação deixou a Turquia dividida entre as relações com as nações em conflito umas com as outras.

A Turquia é cerca de 99% muçulmana e o presidente Erdogan leva a queima do Alcorão muito a sério, e pessoalmente. A queima do Alcorão na Suécia parece ser um ataque directo à Turquia e contra o interesse nacional sueco em aderir à NATO.

Erdogan destacou que a Suécia abrigou e apoiou curdos que têm ligações com o PKK, grupo terrorista que matou mais de 30.000 pessoas em três décadas na Turquia. As FDS e as YPG apoiadas pelos EUA no nordeste da Síria também estão ligadas ao PKK, e isso tem sido uma séria ameaça à relação EUA-Turquia.

Quem queimou o Alcorão e por quê?

Salwan Momika, de 37 anos, é iraquiano de Qaraqosh , mas vivia em Ankawa desde 2016. Seu passaporte nacional era iraquiano, mas sua identidade é assíria. Ele é um cristão siríaco, parte de uma comunidade histórica de cristãos do Iraque que sofreu massacres durante a invasão e ocupação do Iraque pelos EUA em 2003, e que sofreu novamente durante o ataque do EI na ocupação de 2014-2016. Ele recebeu um passaporte sueco em 2022.

Momika tentou esconder sua identidade descrevendo-se como ateu para a mídia recentemente, mas ele usa uma cruz tatuada em seu braço. Ele faz parte de uma grande comunidade na Suécia de 150.000 cristãos sírios, que começaram a migrar para lá na década de 1960, e depois da guerra dos EUA contra o Iraque e seu povo, e depois do ataque dos EUA e da NATO à Síria para mudança de regime em 2011, mais sírios chegaram à Suécia em busca de um lugar seguro para viver.

A página do Facebook que Momika tinha em 2016 trazia fotos de faixas seguradas em multidões que diziam SAYFO 1915 . Isso se refere ao genocídio do Império Turco-Otomano contra cristãos sírios, católicos gregos e armênios. A palavra Sayfo é o termo de auto-identificação de Momika.

Kevork Almassian , um notável jornalista sírio, descobriu no site de Momika que ele afirma ser o fundador e chefe do "Partido da União Siríaca" entre 2014 e 2018, e é aliado das FDS curdas apoiadas pelos EUA e a página diz que "a descentralização é o melhor sistema" para a Síria.

Momika é um siríaco cheio de ódio aos muçulmanos em geral, mas particularmente aos turcos. Sua motivação para queimar o Alcorão é muito pessoal, e isso toca sua identidade e ancestralidade. Ele encontrou um refúgio na Suécia e usa a liberdade que lhe é concedida lá para perseguir sua agenda de ódio sectário e étnico. Seu apoio aos curdos no nordeste da Síria mostra que ele é contra a Turquia e sua segurança.

Momika é membro do partido Democratas Suecos , que é um partido de direita, e o segundo maior do Riksdag. Alguns dos fundadores do partido eram nacionalistas brancos e neonazis, e o partido continua a ser anti-islâmico.

A questão é: por que as autoridades suecas não poderiam investigá-lo e não permitir a queima do Alcorão, que não tem nada a ver com liberdade religiosa, mas é apenas a fantasia de um homem sendo realizada? Ou a Suécia está agindo com base em suas próprias fantasias sectárias e étnicas?

A polícia sueca retira crianças sírias de seus pais

A Suécia tem uma grande comunidade muçulmana e, embora tenha havido elementos criminosos entre eles, a maioria são residentes cumpridores da lei e cidadãos que estão contribuindo para a economia e a sociedade.

A Suécia está a retirar as crianças em idade escolar dos pais sírios e a colocá-las num lar de acolhimento, e os pais são impedidos de saber onde a criança está. Os Serviços Sociais suecos estão ensinando às crianças nas escolas o que é permitido e o que não é permitido em casa. Isso incentiva as crianças a relatarem sobre seus pais, o que resulta em que a criança seja retirada permanentemente.

Não é bem-vindo

Muçulmanos e imigrantes muçulmanos que vivem na Suécia estão sentindo que não são bem-vindos, não são respeitados e não são apreciados.

Um residente em Malmo, que pediu para não ser identificado, mas está trabalhando como professor de inglês na Síria, disse: "Estou começando a sentir que os suecos estão me pedindo para levar meu Alcorão e meus filhos e ir para casa".

*Steven Sahiounie é um jornalista sírio-americano radicado na Síria. Ele é especializado no Oriente Médio. Ele também apareceu na TV e rádio no Canadá, Rússia, Irão, Síria, China, Líbano e Estados Unidos.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome