Edição online quinzenal
 
Quarta-feira 29 de Junho de 2022  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O QUE MACRON DEVE FAZER AGORA?

13-05-2022 - Pascal Bonifácio

Depois de criar grandes expectativas quando conquistou a presidência francesa em 2017, Emmanuel Macron precisará elaborar uma agenda mais realista e realista para seu segundo mandato. Embora suas opções para influenciar os assuntos internacionais não tenham se esgotado, elas são mais limitadas do que há cinco anos.

Na Europa, a vitória do presidente francês Emmanuel Macron sobre a líder de extrema-direita Marine Le Pen foi amplamente bem-vinda. Afinal, embora Le Pen tenha abandonado sua antiga ideia de abandonar o euro, ela ainda vê a União Europeia como uma ameaça à soberania francesa – uma força que impede o governo de proteger o povo francês dos perigos da globalização.

Entre outras coisas, Le Pen queria reconsiderar a aliança franco-alemã (a base do projecto europeu desde o início), deixar o comando militar integrado da OTAN e buscar a reconciliação com a Rússia, apesar da invasão da Ucrânia. Sua admiração pelo presidente russo Vladimir Putin é ideologicamente motivada: ele supostamente defende a civilização cristã contra os muçulmanos e compartilha seu desprezo pelos direitos LGBT. Mas a afinidade também é psicológica e financeira. Le Pen e o resto da extrema direita anseiam por um homem forte; e em 2014, seu partido recebeu  um empréstimo de € 9,4 milhões (US$ 10 milhões) de um banco russo.

Mas enquanto a vitória de Macron em 2017 sobre Le Pen desencadeou uma onda de entusiasmo (a capa do The Economist o mostrava  andando sobre a água), sua reeleição provocou apenas um suspiro de alívio. Macron não atendeu às altas expectativas dos europeus durante seu primeiro mandato. Algumas de suas dificuldades, como os protestos dos “coletes amarelos” ( gilets jaunes ) e a percepção de que ele é um “presidente dos ricos”, foram de sua autoria. Outros, como a presidência de Donald Trump nos Estados Unidos, o Brexit e depois o COVID-19, o confrontaram com testes para os quais nem sempre estava preparado.

Com a Europa enfrentando uma guerra selvagem em sua fronteira, o novo cenário estratégico não parece favorecer a agenda de 2017 de Macron. Como a invasão da Ucrânia pela Rússia é uma clara violação do direito internacional, impede qualquer parceria franco-russa nos próximos anos – pelo menos enquanto Putin estiver no comando.

Isso é uma grande mudança. Desde Charles de Gaulle e a criação da Quinta República em 1958, o envolvimento com o Kremlin tem sido um elemento único da política de segurança francesa. Devido à sua própria dissuasão nuclear, a França sempre teve menos medo de Moscovo e menos dependente do guarda-chuva nuclear dos EUA do que outros países europeus. Aliados, mas nem sempre alinhados com os EUA, sucessivos presidentes franceses viram o envolvimento com a União Soviética, e depois com a Rússia, como uma forma de preservar a margem de manobra da França.

Quando Macron chegou ao poder em 2017, seu objectivo era pressionar pela “autonomia estratégica” europeia – para tornar a Europa menos dependente dos EUA. Isso era necessário, explicou ele em 2019, porque a OTAN estava ficando com “morte cerebral”.

Mas, graças a Putin, a OTAN está agora mais forte e mais unida do que esteve em décadas. Todos os países europeus reconhecem que, no que diz respeito à segurança, a OTAN é o único jogo na cidade, e os EUA continuam a ser a única força capaz de deter uma agressão russa mais ampla. Embora a credibilidade estratégica dos Estados Unidos tenha sido questionada por sua retirada caótica do Afeganistão no ano passado, agora ela foi restaurada. Ao deixar claro que os EUA não enviarão tropas para proteger um país não pertencente à OTAN, o presidente dos EUA, Joe Biden, fortaleceu o incentivo para países como Finlândia e Suécia abandonarem sua neutralidade e aderirem à aliança.

Sob essas novas circunstâncias, o apelo anterior de Macron por maior autonomia em relação aos EUA de repente parece bastante tolo para muitos líderes europeus. Por enquanto, é o projecto francês de autonomia estratégica europeia que está com morte cerebral. Restaurar as relações normais com o Kremlin levaria anos. Se Macron persistir em pressionar por autonomia, a Europa continuará dividida.

Além da Europa, os esforços da França para ajudar os governos do Sahel na África a conter uma rebelião islâmica também estão tendo problemas. Os combates já destruíram a ligação entre a França e o Mali, e a vitória contra os grupos extremistas regionais não está à vista. A situação é igualmente sombria em toda a África de forma mais ampla. Não só a França não é mais o policial da África; seu prestígio no continente está se deteriorando rapidamente. A crescente popularidade de figuras racistas de extrema direita na França é uma das razões para isso; mas outra é que a França tem se mostrado menos disposta a manter laços com regimes autoritários de língua francesa.

A situação no Oriente Médio e no Norte da África também é problemática. O Líbano está atolado em crises políticas e financeiras que Macron é incapaz de resolver. Os conflitos internos da Argélia estão prejudicando seu relacionamento com a França, apesar dos melhores esforços de Macron para reflectir honestamente sobre o legado do colonialismo e a brutal guerra de independência. E, depois de servir por muito tempo como participante activo nos esforços para resolver o conflito israelo-palestino, a França, como o resto da comunidade internacional, abandonou amplamente essa causa.

Onde o dinamismo característico de Macron pode dar uma contribuição efectiva? A primeira área que me vem à mente é a luta contra as mudanças climáticas. Tendo sediado a bem-sucedida cúpula de 2015 que produziu o acordo climático de Paris, a França tem uma forte reivindicação de liderança global nesta questão. Além disso, as políticas verdes voltadas para o futuro tornaram-se cada vez mais populares em todo o mundo, especificamente entre os jovens, cujo apoio Macron precisa recuperar.

Macron também provavelmente será um forte defensor do multilateralismo, que sofreu nesta era de nacionalismo populista. A crise do multilateralismo está indiscutivelmente no centro da Europa e dos problemas estratégicos mais urgentes do mundo hoje. Aqui, também, a França tem uma reivindicação legítima de liderança, já que Macron colocou o multilateralismo no centro de sua campanha. A França é poderosa o suficiente para influenciar os assuntos globais, mas não para agir unilateralmente. Com seu alto perfil global, Macron poderia trabalhar com Japão, Alemanha, Índia e outros para forjar uma frente unida em defesa do sistema multilateral.

Por fim, a França de Macron – trabalhando em estreita colaboração com a Alemanha e a UE de forma mais ampla – pode ajudar a garantir que o confronto entre o Ocidente e a Rússia sobre a Ucrânia não se transforme em um confronto global mais perigoso entre países autoritários e democráticos. Essa é a última coisa que a França ou a Europa precisam.

PASCAL BONIFÁCIO

Pascal Boniface é Director do Instituto Francês de Assuntos Internacionais e Estratégicos (IRIS).

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome