Edição online semanal
 
Sexta-feira 22 de Junho de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
AS LIÇÕES DA SEGUNDA-FEIRA NEGRA
Autor: Barry Eichengreen

16-02-2018

BERKELEY - O presidente dos EUA, Donald Trump, apontou regularmente para o mercado de ações como fonte de validação do programa económico de sua administração. Mas, enquanto a Dow Jones Industrial Average (DJIA) aumentou cerca de 30% desde a inauguração de Trump, a medida em que o aumento do mercado foi devido às políticas do presidente é incerto. O que é certo, como recentemente lembrámos, é que o que sobe pode cair.

Ao interpretar quedas acentuadas nos preços das ações e seu impacto, muitos vão pensar em 2008 e as turbulências do mercado em torno do processo de falência da Lehman Brothers. Mas um melhor precedente histórico para as condições atuais é a enorme queda de um dia em 19 de outubro de 1987.

Ao interpretar quedas acentuadas nos preços das ações e seu impacto, muitos vão pensar em 2008 e as turbulências do mercado em torno do processo de falência da Lehman Brothers.  Mas um melhor precedente histórico para as condições atuais é Black Monday: 19 de outubro de 1987.

A segunda-feira negra foi um grande problema: o colapso do preço de 22,6% ainda é a maior queda percentual de um dia no DJIA no registro.O equivalente hoje seria - aguarde - 6 mil pontos no Dow.

Além disso, o acidente de 1987 ocorreu no contexto do aperto da política monetária pela Reserva Federal dos EUA.  Entre janeiro e outubro de 1987, o Fed impulsionou a taxa efetiva de fundos federais em quase 100 pontos base, tornando mais caro emprestar e comprar ações.  No período anterior a outubro de 2008, em contrapartida, as taxas de juros caíram acentuadamente, refletindo a deterioração da economia.  Esse não é o caso agora, é claro, o que faz 1987 a melhor analogia.

O acidente de 1987 também ocorreu em um período de fraqueza do dólar.  No final da semana anterior, o secretário do Tesouro, James Baker, fez algumas observações que foram interpretadas como uma ameaça para desvalorizar o dólar.  Como o atual secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, em Davos, este ano, Baker pode reclamar que seus comentários foram retirados do contexto.  Mas é revelador que a venda na segunda-feira negra começou no exterior, em países que provavelmente serão afetados negativamente por um dólar fraco, antes de se espalhar para os EUA.

Finalmente, o comércio algorítmico teve um papel.  Os algoritmos em questão, desenvolvidos na Universidade da Califórnia, em Berkeley, eram conhecidos como "seguro de portfólio". Usando modelagem de computador para otimizar os rácios de stock em caixa, o seguro de portfólio diz aos investidores que reduzam o peso sobre os estoques em mercados em queda como forma de limitar o risco de queda.  Esses modelos incentivaram os investidores a venderem em um mercado fraco, ampliando as variações de preços.

Embora o papel do seguro de portfólio seja contestado, é difícil ver como o mercado poderia ter caído por um montante tão grande sem sua influência.  O comércio algorítmico do século XXI pode ser mais complexo, mas também tem conseqüências não intencionais, e isso também pode amplificar a volatilidade.

Apesar de todo o drama em Wall Street em 1987, o impacto sobre a atividade econômica foi diminuído.  As despesas do consumidor caíram acentuadamente em outubro, devido a efeitos de riqueza negativos e maior incerteza, mas rapidamente se estabilizaram e recuperaram, enquanto as despesas de investimento permaneceram praticamente inalteradas.

O que explica a queda limitada?  Primeiro, o Fed, sob seu novo presidente, Alan Greenspan, afrouxou a política monetária, assegurando aos investidores que o acidente não criaria sérios problemas de liquidez.  A volatilidade do mercado diminuiu, assim como a incerteza associada, reforçando a confiança dos consumidores.

Em segundo lugar, o acidente não desestabilizou instituições financeiras de importância sistêmica.  Os grandes bancos de centros de dinheiro usaram os cinco anos desde o início da crise da dívida latino-americana para fortalecer seus balanços.  Embora a crise da Poupança e do Empréstimo tenha continuado a ferver, os S& Ls eram muito pequenos, mesmo como um grupo, por seus problemas afetar significativamente a economia.

Qual seria, então, os efeitos de um acidente análogo hoje?  Atualmente, o sistema bancário dos EUA parece suficientemente robusto para absorver a tensão.  Mas sabemos que os bancos que são saudáveis quando o mercado está aumentando podem rapidamente cair doentio quando inverte.  O Congresso move-se para enfraquecer a Lei Dodd-Frank, aliviando muitos bancos do requisito de passar por testes de estresse regulares, sugerindo que essa saúde robusta não deve ser considerada como adquirida.

Além disso, há menos espaço para cortar as taxas de juros hoje do que em 1987, quando a taxa de fundos federais excedeu 6% e a taxa preferencial cobrada pelos grandes bancos foi superior a 9%.  Com certeza, se o mercado caiu bruscamente, o Fed ativaria o "Greenspan-Bernanke Put", fornecendo grandes quantidades de liquidez aos intermediários em dificuldades.  Mas se o Fed da Jay Powell responderia de forma tão criativa quanto o de Bernanke em 2008 - fornecer empréstimos "back-to-back" a bancos não membros em perigo, por exemplo - é uma questão aberta.

Muito, por sua vez, dependerá da reação do presidente.  Will Trump responde como FDR em 1933, assegurando ao público que a única coisa que tememos temer é o próprio medo?  Ou ele procurará por alguém culpado pelo colapso do seu indicador económico favorito e atacará os democratas, os governos estrangeiros e a Fed?  Um presidente que joga o jogo da culpa só agrava ainda mais o problema.

BARRY EICHENGREEN

Barry Eichengreen é professor de economia da Universidade da Califórnia, Berkeley, e ex-consultor de políticas sénior do Fundo Monetário Internacional.   Seu último livro é Hall of Mirrors: The Great Depression, The Great Recession, e Uses - e Misuses - of History.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome