Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 1 de Março de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
NÃO HÁ FUTURO PARA A EUROPA SEM UM NOVO CONTRATO SOCIAL
Autor: Efa Rosa D'amato, Kim Van Sparrentak e Sara Matthieu

26-05-2023

Os eurodeputados exigem uma transição justa para uma economia neutra em termos de clima para enfrentar as crises sociais em curso.

A União Europeia precisa urgentemente de ser mais social. No rescaldo da pandemia de COVID-19, os cidadãos da UE enfrentam uma crise após a outra, crises que põem em risco o seu acesso à habitação, o seu poder de compra, o seu abastecimento de energia e que deixam as pessoas incapazes de fornecer alimentos para suas famílias. Um número crescente de famílias e indivíduos enfrenta a pobreza energética e a exclusão social, enquanto as desigualdades aumentam rapidamente. Precisamos responder a esta aguda crise social e devemos preparar uma transição justa para uma economia com impacto neutro no clima. Alcançar uma Europa mais social é um desafio formidável que deve estar no centro de todas as acções da União.

Os governos têm sido lentos ou pouco dispostos a responder à crise social e nenhum plano ambicioso foi apresentado.

Os governos têm sido lentos ou pouco dispostos a responder à crise social e nenhum plano ambicioso foi apresentado. Salvar os bancos durante o colapso financeiro de 2008 e a resposta económica coordenada à pandemia de COVID-19 mostram que a União Europeia é capaz de mobilizar recursos em tempos de crise. O Grupo Verdes/EFA pede uma resposta ambiciosa da UE à crise com investimento social maciço e soluções concretas, como uma renda mínima estabelecida acima da linha da pobreza e a proibição de cortes de energia.

De acordo com o último Euro barómetro, as duas principais preocupações dos cidadãos da UE são o aumento do custo de vida, a pobreza e a exclusão social. Dois anos atrás, na primeira Cúpula do Porto, todos os líderes da UE concordaram que era hora de construir uma Europa social forte. Desde então, poucas medidas concretas foram tomadas para atingir este objectivo até 2030. O Fórum Social do Porto, que se realiza de 26 a 27 de Maio, deverá responder a estas questões prementes. No entanto, ao concentrar-se amplamente nas competências, perde a oportunidade de abordar as principais preocupações dos cidadãos da UE e falha em oferecer soluções rápidas e accionáveis ​​para uma transição justa.

O Grupo dos Verdes/EFA apela a uma resposta ambiciosa da UE à crise com um investimento social maciço.

O Grupo dos Verdes/EFA acredita que o Fórum Social do Porto é o espaço para lançar ideias ambiciosas e desenvolver políticas sociais que ajudem as pessoas a viverem com dignidade. É também uma oportunidade única para os líderes da UE se comprometerem com a plena implementação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais, como a proibição de estágios não remunerados, protecção de trabalhadores contra algoritmos de caixa-preta de vigilância, acesso a moradia e assistência para sem-tecto e renda mínima .

Uma das ferramentas mais importantes que os países membros devem implementar é a fixação de sua renda mínima acima da linha da pobreza para garantir uma vida digna e erradicar a pobreza. Os Verdes/EFA há muito pedem legislação vinculativa sobre este assunto e acreditam que este é um dos passos mais importantes para tornar a UE mais justa socialmente.

É também uma oportunidade única para os líderes da UE se comprometerem com a plena implementação do Pilar Europeu dos Direitos Sociais.

As crises sociais só podem ser evitadas se a transição social for abordada juntamente com a transição verde, e o combate às desigualdades económicas é uma pré-condição para uma ação climática eficaz. Assim, o Fórum Social do Porto deverá centrar-se no emprego de qualidade e no combate à pobreza como elementos-chave para uma transição justa. Por exemplo, a Lei de Redução da Inflação dos EUA de 2022 inclui várias propostas legislativas que abordam as mudanças climáticas e o esverdeamento da economia que introduzem condicionalidades sociais como pré-requisitos para que as empresas recebam apoio do governo. A UE não pode ficar para trás nos direitos sociais .

Os problemas enfrentados por nossas sociedades decorrem do actual sistema socioeconómico que explora os recursos naturais e as pessoas. Queremos uma economia que coloque as pessoas e o planeta antes do lucro.

Uma das ferramentas mais importantes que os países membros devem implementar é a fixação de sua renda mínima acima da linha da pobreza.

Os poluidores e os mais ricos em nossas sociedades precisam pagar sua parte justa. Os mais vulneráveis ​​não podem sofrer porque nosso sistema é projectado para beneficiar as empresas: de acordo com dados do BCE, os lucros contribuíram muito para o aumento dos preços. Em nenhum lugar isso é mais evidente do que no mercado de energia: os preços disparados trouxeram enormes lucros para as empresas, mas aumentaram a pobreza energética e as desconexões para as pessoas.

A transição só pode acontecer se as pessoas se sentirem apoiadas: as que estão empregadas; e aqueles que são negligenciados pelo sistema actual e que estão sem trabalho. As empresas devem implementar planos obrigatórios de transição justa, concebidos em conjunto com os seus trabalhadores e com o envolvimento dos parceiros sociais. Os sindicatos têm um papel importante a desempenhar no acompanhamento dos trabalhadores durante a transição do mercado de trabalho para garantir que eles estejam no comando.

Os preços disparados trouxeram enormes lucros para as empresas, mas aumentaram a pobreza energética e as desconexões para as pessoas.

Para criar uma Europa mais social e mais verde, a União Europeia e as suas instituições devem estudar a forma de integrar as medidas sociais e ambientais. Nesse sentido, uma revisão profunda das regras fiscais da UE e da estrutura de governança económica deve garantir que os países membros possam fazer os investimentos sociais necessários.

O Fórum Social do Porto não deve desperdiçar a oportunidade de discutir estas medidas e a necessidade urgente de um novo contrato social. Se a UE deseja manter o apoio de seu povo, ela precisa garantir uma sociedade mais igualitária, onde as pessoas e o planeta sejam colocados à frente do lucro.

Autor(es):

As Eurodeputadas Verdes - Efa Rosa D'amato, Kim Van Sparrentak e Sara Matthieu

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome