Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 1 de Março de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
O CLIMA DEVE IMPULSIONAR A MUDANÇA NOS BANCOS DE DESENVOLVIMENTO
Autor: Masatsugu Asakawa

28-04-2023

A escala absoluta da crise climática pode fazer com que até as maiores instituições do mundo se sintam impotentes. Mas se os bancos multilaterais de desenvolvimento empreenderem uma mudança de mentalidade, poderão fazer muito mais para combater o aquecimento global, e mais rápido, com os recursos substanciais que administram.

Vivemos em um mundo assolado por crises, com guerras, doenças e dificuldades económicas cobrando um preço terrível do bem-estar humano nos últimos anos. O mais alarmante de tudo é o agravamento do impacto da mudança climática, que ameaça a própria existência de inúmeras espécies, inclusive a nossa.

O tempo está se esgotando para corrigir o problema. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas alertou recentemente  que a temperatura do planeta provavelmente aumentará 1,5° Célsius acima dos níveis pré-industriais na próxima década e ultrapassará esse limite crítico sem reduções imediatas e maciças de emissões. Poderíamos estar entrando em um círculo vicioso  no qual as consequências da mudança climática distraem a atenção e desviam os recursos do combate às suas causas, impedindo ainda mais o progresso à medida que os efeitos pioram.

Bilhões de dólares estão sendo investidos para evitar esse destino, mas triliões são necessários. de onde isso virá? Os altos níveis de dívida pública restringem as opções políticas de muitos países, e não há projectos suficientes para gerar o investimento privado necessário.

Bancos multilaterais de desenvolvimento (MDBs), como o Banco Asiático de Desenvolvimento (ADB), do qual sou presidente, podem fornecer financiamento e expertise extremamente necessários para o progresso climático. Mas não podemos tomar medidas ousadas sem fazer mudanças radicais em nossas operações. Acredito que os MDBs devem fazer mais e mais rápido com os recursos substanciais que administramos. Simplesmente colocar a acção climática no topo da agenda de desenvolvimento não é suficiente. A crise climática exige uma mudança dramática em nossa mentalidade como profissionais do desenvolvimento.

As apostas são maiores na Ásia e no Pacífico. Além de ser responsável por mais da metade  das emissões mundiais de gases de efeito estufa, a região está aquecendo mais rápido do que qualquer outro lugar e é extremamente vulnerável ao aumento do nível do mar, eventos climáticos extremos e perda de biodiversidade. Essas tendências só aumentarão se os MDBs continuarem a fazer negócios como de costume.

Para aumentar as chances de a humanidade vencer a batalha contra a mudança climática, os MDBs devem mudar de três maneiras. Para começar, alguns princípios básicos de suas operações, ou seja, a abordagem tradicional com foco no país, devem ser reformulados. Os custos das mudanças climáticas e os benefícios dos investimentos em adaptação e mitigação se estendem além das fronteiras nacionais, por isso precisamos de uma perspectiva mais regional e global que alavanque o poder único de convocação e coordenação dos MDBs em todas as jurisdições políticas.

Iniciativas como o Mecanismo de Transição de Energia, um instrumento de financiamento misto colaborativo e escalável para acelerar a desactivação de minas de carvão em toda a nossa região, são um passo na direcção certa. Liderado pelo ADB, combina recursos concessionais de doadores, fontes filantrópicas e outros com fundos a preços de mercado de instituições financeiras de desenvolvimento e investidores comerciais.

Mas muito mais é necessário. Políticas e acordos comerciais ecológicos podem reduzir os efeitos ambientais negativos do comércio, inclusive da exportação de resíduos e plásticos para países em desenvolvimento. Da mesma forma, preços mais precisos de emissões de manufactura em acordos comerciais podem ajudar a evitar que indústrias “marrons” se mudem para países mais pobres com regulamentações ambientais mais fracas. Também será necessária uma maior coordenação dos mecanismos transfronteiriços de precificação do carbono para incentivar a fabricação e a produção de energia mais ecológicas.

A segunda mudança que os MDBs devem adoptar é aumentar significativamente o investimento climático. Os membros do G20 argumentaram que, ao implementar reformas para administrar o capital de forma mais eficaz, os MDBs poderiam aumentar os empréstimos em centenas de biliões de dólares sem comprometer sua classificação de crédito AAA.

Concordo que precisamos fazer mais com o que temos. O ADB está revisando sua estrutura de adequação de capital para explorar como ajustes, como redefinir a tolerância ao risco e optimizar os balanços, podem criar mais espaço para aumentar os empréstimos. Este é um passo importante, mas mais inovação é necessária tanto para gerar recursos adicionais quanto para garantir que eles incentivem acções climáticas ousadas.

Para tanto, é vital que os BMDs expandam sua capacidade de mobilizar investimentos privados para uma gama mais ampla de programas climáticos, inclusive por meio de mecanismos de financiamento misto. Eles devem liderar uma expansão global de estruturas de financiamento inovadoras, estimulando mais colaboração transfronteiriça e público-privada na acção climática.

Outra forma de liberar capital adicional para investimentos relacionados ao clima é compartilhar o risco financeiro, que pode assumir a forma de garantias condicionais dos países doadores. O capital que os MDBs reservariam para o risco de inadimplência poderia, em vez disso, ser alavancado para gerar recursos adicionais.

Os MDBs também devem fazer maior uso do financiamento concepcional, incluindo doações, para melhorar a apreciação da banca pelo projecto. Isso é especialmente importante para países de rendimentos médios, que produzem emissões significativas, mas normalmente não têm acesso a empréstimos bonificados para projectos de desenvolvimento.

Finalmente, nossas instituições devem se tornar mais eficientes e eficazes. Incorporar as prioridades de desenvolvimento global e regional no centro do nosso modelo de negócios requer uma experiência climática e sectorial mais forte que possa ser mobilizada além das fronteiras. Especialistas do sector privado e do sector público, cujo trabalho raramente se sobrepõe na maioria dos MDBs, precisam colaborar para identificar os impedimentos ao investimento privado em áreas como energia renovável e para projectar políticas que possam destravar o investimento downstream.

O novo modelo operacional do ADB mudará radicalmente nossa estrutura para reduzir os silos organizacionais e aumentar o trabalho relacionado ao clima e ao sector privado. Vejo isso apenas como o primeiro passo em um caminho de reforma que todos os MDBs devem seguir para responder de forma eficaz aos desafios em rápida evolução, como o aquecimento global.

A simples escala da mudança climática pode nos fazer sentir desamparados. Mas se agirmos com ousadia agora, podemos evitar o loop da desgraça. Acredito que os MDBs podem enfrentar o desafio, como fizeram em resposta a outras crises globais. Evitar uma catástrofe desta magnitude exige nada menos.

MASATSUGU ASAKAWA

Masatsugu Asakawa é presidente do Banco Asiático de Desenvolvimento.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome