Edição online quinzenal
 
Domingo 21 de Julho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

DIA D E A AMEAÇA DE GUERRA TOTAL

21-06-2024 - Robert Skidelsky

Após oito décadas de relativa paz, o mundo está novamente dividido em blocos económicos e geopolíticos hostis. O 80º aniversário da invasão da Normandia oferece uma oportunidade valiosa para refletir sobre os princípios que estamos dispostos a defender e os sacrifícios que estamos preparados para fazer.

LONDRES – As cerimónias que marcaram o 80.º aniversário do Dia D, em 6 de Junho, comemoraram as milhares de vidas jovens perdidas nas praias da Normandia em 1944. Embora os meios de comunicação social tenham criticado veementemente o primeiro-ministro britânico  Rishi Sunak por faltar  a alguns eventos comemorativos, vale a pena perguntar : O que estava sendo homenageado? Foi a coragem dos “nossos” soldados – em oposição aos seus homólogos alemães – ou as liberdades pelas quais lutavam?

Antes da Primeira Guerra Mundial, poucas pessoas questionavam os motivos para enviar soldados para a batalha. No mundo pré-moderno, as pessoas lutaram por Deus. Nos tempos modernos, eles lutaram pelo “Rei e pela Pátria”. Tanto a fé religiosa como o patriotismo eram vistos como causas inerentemente nobres que justificavam enormes sacrifícios.

Foi apenas no século XIX que as pessoas começaram a questionar as causas pelas quais os jovens eram chamados a lutar, dando origem aos primeiros movimentos modernos pela paz. Embora estes grupos tenham sido influenciados por várias vertentes de pensamento, incluindo o pacifismo cristão, foram impulsionados principalmente pela emergência do humanitarismo e pela economia do capitalismo.

O entusiasmo popular que saudou a eclosão da Primeira Guerra Mundial em 1914 ofuscou o nascente movimento pela paz, à medida que os principais partidos políticos da Europa se uniram em apoio dos seus respectivos países. Mas o número catastrófico de mortos na guerra rapidamente reacendeu a questão: será que tal sacrifício poderia ser justificado? “Entre os países que participaram na guerra, ainda existe uma tendência entre muitos enlutados de se acalmarem com a ideia de que os seus mortos se apaixonaram por algo nobre e valioso”, escreveu William Gerhardie no seu romance de 1925, The Polyglots. Isto, acrescentou ele, foi uma “ilusão perniciosa. Os seus mortos são vítimas – nem mais nem menos – da loucura dos adultos que, tendo levado o mundo a uma guerra ridícula, agora constroem memoriais para resolver tudo.”

Além dos nove milhões de soldados  mortos e dos 21 milhões de feridos entre 1914 e 1918, 15 milhões de soldados foram mortos e mais 25 milhões ficaram feridos durante a Segunda Guerra Mundial. Incluindo as vítimas civis, as duas guerras e acontecimentos relacionados, como a pandemia de gripe de 1918-20, ceifaram quase 200 milhões de vidas, cerca de um décimo  da população mundial nessa altura. O massacre valeu a pena?

Nem todas as guerras têm o mesmo valor moral. Embora a Primeira Guerra Mundial tenha sido um conflito trágico e desnecessário no qual, como escreveu Gerhardie, as principais potências da Europa foram lideradas por líderes incompetentes, o mesmo não pode ser dito da Segunda Guerra Mundial. Hoje, tomamos como certo que a Alemanha nazi tinha de ser travada e condenamos aqueles que tentaram apaziguar Adolf Hitler em vez de enfrentá-lo quando teria sido mais fácil fazê-lo. Desde então, “apaziguamento” tem sido considerado um palavrão.

Em seu livro de 1961, As Origens da Segunda Guerra Mundial, o historiador britânico AJP Taylor ofereceu uma perspectiva diferente, argumentando que o Acordo de Munique de 1938, que permitiu a Hitler anexar parte da Checoslováquia, representou "um triunfo de tudo o que havia de melhor e mais esclarecido". na vida britânica.” A maioria dos historiadores ficou chocada com esta afirmação, e a reputação de Taylor nunca se recuperou totalmente. Mas o que Taylor estava a tentar transmitir era que a relutância em envolver-se noutra guerra contra a Alemanha após o massacre da Primeira Guerra Mundial não era inerentemente desonrosa, e que a oposição de Winston Churchill ao apaziguamento foi inicialmente desconsiderada porque ele era amplamente visto como um fomentador da guerra.

Taylor também entendeu que a democracia não é uma garantia de intenções pacíficas. Como ele observou, “Bismarck travou guerras 'necessárias' e matou 'milhares'; os idealistas do século XX travaram guerras “justas” e mataram milhões.” Na sua opinião, os idealistas democráticos eram os herdeiros espirituais dos missionários cristãos – não era a paz que procuravam, mas a conversão. O conteúdo dos sermões mudou, mas o espírito evangélico permaneceu, com os direitos humanos tornando-se o novo evangelho.

Embora o Artigo 51  da Carta das Nações Unidas reconheça a autodefesa como a única causa justa da guerra, o que constitui autodefesa está muitas vezes aberto a interpretação. Israel, por exemplo, usou a autodefesa para justificar o seu ataque preventivo à força aérea egípcia, que desencadeou a Guerra dos Seis Dias de 1967. Os Estados Unidos invocaram o conceito de autodefesa preventiva  para apoiar a invasão do Iraque em 2003, e a Rússia baseou-se num raciocínio semelhante para justificar a invasão da Ucrânia em 2022.

O autor britânico Anthony Burgess dividiu  a história europeia desde a Alta Idade Média até ao final da Segunda Guerra Mundial em períodos alternados de guerras limitadas e totais. De 1000 a 1550, a Europa viveu conflitos limitados, principalmente feudais e dinásticos. Isto foi seguido por uma era de convulsão religiosa generalizada de 1550 a 1648. Em contraste, os combates militares entre 1649 e 1789 limitaram-se principalmente às lutas coloniais. O período entre 1789 e 1815 foi caracterizado por um regresso à guerra em grande escala, impulsionado pelo fervor revolucionário e nacionalista, enquanto o século seguinte foi marcado por conflitos coloniais e comerciais limitados. Finalmente, a Europa enfrentou as duas devastadoras guerras mundiais entre 1914 e 1945.

O período pós-guerra foi marcado por oito décadas de relativa paz imposta pelos EUA e pela União Soviética, e mais tarde apenas pelos EUA. No entanto, as tensões geopolíticas aumentaram nos últimos anos, desencadeando múltiplos conflitos regionais com potencial para se transformarem noutra guerra global em grande escala.

Existem três razões pelas quais os períodos de relativa paz não duram. Primeiro, os tratados de paz que põem fim às guerras em grande escala podem conter as sementes de conflitos futuros. Isto certamente foi verdade no Tratado de Versalhes, que pôs fim à Primeira Guerra Mundial. Em segundo lugar, as potências emergentes, como a China hoje, podem minar os alicerces de uma paz global duradoura. Terceiro, as sociedades humanas tendem a ficar inquietas depois de viverem pacificamente durante um longo período.

À medida que o mundo se divide mais uma vez em blocos económicos e geopolíticos hostis, o 80º aniversário do Dia D oferece uma oportunidade para reflectir sobre os sacrifícios que estamos preparados para fazer para defender os nossos valores. Acima de tudo, devemos dar prioridade à paz em detrimento da guerra total e ter em conta as lições das catástrofes globais do passado.

ROBERT SKIDELSKY

Robert Skidelsky é membro da Câmara dos Lordes britânica, professor emérito de economia política na Universidade de Warwick e autor de uma premiada biografia em três volumes de John Maynard Keynes. Ele começou sua carreira política no Partido Trabalhista, foi membro fundador do Partido Social Democrata e serviu como porta-voz do Partido Conservador para assuntos do Tesouro na Câmara dos Lordes até ser demitido por sua oposição ao bombardeio de Kosovo pela OTAN em 1999. Desde 2001, ele tem assento na Câmara dos Lordes como independente. Ele também actuou como director não executivo do fundo mútuo americano Janus (2001-11) e da empresa petrolífera privada russa PJSC Russneft (2016-21). Ele é o autor de The Machine Age: An Idea, a History, a Warning (Allen Lane, 2023).

 

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome