Edição online quinzenal
 
Domingo 21 de Julho de 2024  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 
DOSSIERS
 
A EUROPA PRECISA DE INVESTIMENTO CHINÊS
Autor: Dália Marin

21-06-2024

Durante décadas, a China exigiu que as empresas ocidentais estabelecessem parcerias com fabricantes nacionais para aceder ao seu vasto mercado. Para permanecer competitiva e evitar um doloroso choque com a China, a União Europeia deveria fazer a engenharia inversa das políticas que permitiram às empresas chinesas tornarem-se líderes mundiais em tecnologias verdes.

MUNIQUE – Ao longo das últimas duas décadas, o fosso de produtividade entre a Europa e os Estados Unidos aumentou de forma constante, com a produtividade do trabalho nos EUA a crescer mais do dobro  do ritmo da zona euro. A “crise de competitividade” europeia pode ser atribuída a vários factores, incluindo o investimento público e privado insuficiente, a escassez de empresas tecnológicas e de fundos de capital de risco e o declínio demográfico do continente. Outra possível explicação, muitas vezes ignorada, é o declínio do investimento directo estrangeiro (IDE).

O IDE é um motor crucial  do crescimento da produtividade, apresentando aos países beneficiários novas tecnologias, conhecimentos e competências de gestão. Depois de terem caído 4%  em 2023, os fluxos de IDE da Europa estão agora 14% abaixo do seu pico de 2017. A Alemanha registou uma queda acentuada de 12% no investimento estrangeiro no ano passado, prejudicando a sua recuperação pós-pandemia. No Reino Unido, a entrada de IDE diminuiu quase 30%  desde 2016-17, à medida que o Brexit levou as empresas estrangeiras a redireccionar os investimentos para outros países europeus. Os decisores políticos franceses parecem determinados a beneficiar desta mudança, com o Presidente  Emmanuel Macron a comercializar activamente o seu país  junto de investidores estrangeiros.

Atrair IDE é crucial para a União Europeia, uma vez que enfrenta dois desafios emergentes: reduzir o risco das suas cadeias de abastecimento e evitar que as economias dos Estados-Membros sofram um choque chinês semelhante ao que os EUA experimentaram depois da adesão da China à Organização Mundial do Comércio em 2001.

Os fluxos de IDE podem desempenhar um papel fundamental na abordagem destes dois desafios. As alterações climáticas e o aumento das tensões geopolíticas tornaram as cadeias de abastecimento globais cada vez mais vulneráveis, especialmente porque a maioria dos factores de produção para as indústrias verdes, como os semicondutores e as células de bateria para veículos eléctricos (VE), provêm de Taiwan, da Coreia do Sul e da China. Um artigo de 2012  do economista do MIT Daron Acemoglu e co-autores sugere que tais concentrações geográficas de fornecedores de factores de produção aumentam o risco de choques económicos. À medida que as perturbações no fornecimento repercutem em toda a economia global, criam efeitos multiplicadores que agravam a perturbação inicial.

Além disso, as empresas não podem proteger-se contra tais perturbações diversificando os seus fornecedores, uma vez que não existem fontes alternativas disponíveis fora da Ásia. Esta vulnerabilidade foi sublinhada em 2021, quando a Taiwan Semiconductor Manufacturing Company (TSMC) teve de encerrar algumas das suas fábricas devido à pandemia de COVID-19 e a uma seca severa, paralisando a produção automóvel em todo o mundo.

Para promover a diversificação, a UE começou a subsidiar investimentos estrangeiros em células de baterias e semicondutores através da Lei Europeia dos Chips  e da Aliança Europeia de Baterias  . Tal como a Lei de Redução da Inflação e a Lei CHIPS e Ciência nos EUA, estas medidas visam garantir que estejam disponíveis fornecedores alternativos suficientes em caso de desastre climático ou conflito geopolítico.

Apesar destes esforços, contudo, há sinais de que a Europa começou a experimentar o seu próprio choque com a China. Em 2022, pela primeira vez, a Alemanha importou mais carros e máquinas da China do que exportou. Um estudo recente  da Allianz Research conclui que a China ultrapassou a Alemanha em sectores chave do mercado de exportação global. Por exemplo, a participação da China nas exportações de máquinas e equipamentos aumentou para 29% em 2022, em comparação com os 15% da Alemanha. Embora a Alemanha ainda lidere nas exportações de automóveis e equipamento de transporte, com uma quota de 17% em comparação com os 9% da China, a sua liderança está a diminuir.

Isto deveria alarmar os decisores políticos por duas razões. Em primeiro lugar, perder a liderança em sectores críticos de alta tecnologia representa uma grande ameaça  ao modelo económico da Alemanha. Em segundo lugar, um choque Europa-China poderia alimentar  a ascensão de partidos de extrema-direita como a Alternativa Alemã para a Alemanha (AfD).

Os EUA deveriam servir de alerta. O choque da China no início da década de 2000 teve um impacto  devastador nas regiões industriais, à medida que os trabalhadores deslocados pela concorrência chinesa lutavam  para encontrar novos empregos e muitas vezes tinham de se contentar com salários significativamente mais baixos. O declínio do emprego na indústria transformadora contribuiu  para uma epidemia de “ mortes por desespero  ” – desde suicídio, overdoses de drogas e doenças hepáticas relacionadas com o alcoolismo – e preparou o terreno  para a vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais de 2016.

Tendo isto em mente, os decisores políticos da UE estão a considerar a imposição de tarifas de importação sobre os VE chineses. Num discurso recente, a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, disse que a Comissão lançou uma investigação anti-subsídios à indústria chinesa de veículos eléctricos e acusou a China de violar as regras de concorrência leal num esforço para “inundar o nosso mercado com carros eléctricos maciçamente subsidiados”. ”

A decisão do Presidente dos EUA,  Joe Biden , de impor uma tarifa de 100%  sobre os VE fabricados na China irá provavelmente redireccionar as exportações chinesas de VE dos EUA para a Europa, o que deixa os decisores políticos europeus sem outra escolha senão impor as suas próprias tarifas de importação.

Tal medida poderia ter o benefício adicional de impulsionar os fluxos de IDE chinês para a UE, uma vez que os fabricantes de automóveis chineses poderiam tentar contornar as tarifas de importação construindo novas fábricas na Europa e vendendo VE directamente aos consumidores europeus.

Mas é preciso fazer mais. Ao formar parcerias com empresas em economias tecnologicamente avançadas como a China, Taiwan, a Coreia do Sul e Israel, as empresas europeias poderiam colmatar a lacuna de conhecimento eléctrico e digital e aumentar os fluxos de IDE para a UE. Durante décadas, a China utilizou esta estratégia para se tornar líder mundial em tecnologias verdes, forçando as empresas ocidentais a formar joint ventures com fabricantes nacionais para aceder ao vasto mercado chinês.

Hoje, os papéis estão invertidos: a China é agora uma economia tecnologicamente avançada que procura acesso ao grande mercado da UE para os seus VE e os países europeus não possuem os conhecimentos técnicos necessários para se manterem competitivos. Para impulsionar os fluxos de IDE e melhorar a sua competitividade, a UE deveria fazer engenharia reversa  na política industrial da China e exigir que os fabricantes chineses de veículos eléctricos estabelecessem joint ventures com empresas nacionais em troca de acesso ao mercado.

DÁLIA MARIN

Dalia Marin, Professora de Economia Internacional na Escola de Gestão da Universidade Técnica de Munique, é investigadora no Centro de Investigação de Política Económica e bolseira não residente no Bruegel.

 

 

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome